Segunda, 24 de Setembro de 2018 Adrego & Associados – Consultores de Gestão

Impulso às PME com potencial exportador

2012.08.03

No passado dia 25 de Julho, o parlamento português aprovou várias resoluções orientadoras com vista à melhoria da competitividade e dinamização da internacionalização das PME’s Portuguesas, nomeadamente das PME’s que atuam somente no mercado doméstico, mas com potencial de internacionalização.

Um dos “motores de crescimento” interno que está disponível (senão o único), passa pela redução do défice da balança comercial portuguesa, diminuindo, na medida do possível, as importações e aumentar as exportações nacionais (Fig.1).

Fig. 1 – Taxa anual de crescimento composto (valores em percentagem)
Fonte: Luís Cunha, Mckinsey&Company durante a conferência “Portugal: O imperativo do Crescimento” em 16 de Março de 2012.

Já em Fevereiro de 2011, no Congresso de Exportações, as autoridades públicas portuguesas afirmaram a ambição de alcançar o rácio de 40% de exportações/PIB até 2013 e em linha com atual média da EU27.

Porém, são inúmeros os fatores a ter em conta para a dinamização da atividade exportadora do tecido empresarial português, nomeadamente os fatores que não são imputáveis aos investidores/ empresários, e às suas empresas, os chamados custos de contexto. Numa clara referência a estes custos, o Parlamento Português demonstrou a sua preocupação com as Exportações Portuguesas enumerando várias recomendações ao Governo, entre as quais:

  1. A elaboração de uma lista exaustiva com os custos de contexto que afetam as empresas exportadoras;
  2. Apresentação de medidas, devidamente calendarizadas, com vista à resolução ou pelo menos à atenuação dos custos de contexto identificados na lista anteriormente referida.

Outro importante fator dinamizador da atividade exportadora é o seu financiamento e nesse sentido, o Parlamento recomenda ao Governo que seja dada prioridade absoluta à negociação da linha crédito com o Banco Europeu de Investimento:

  1. Dar prioridade absoluta à negociação da linha de crédito com o Banco Europeu de Investimento prevista no Orçamento do Estado de 2012
  2. Assegurar critérios de seletividade e mérito no acesso à referida linha de financiamento, garantindo uma adequada utilização dos recursos financeiros disponíveis e dando prioridade ao financiamento dos setores de bens e serviços transacionáveis e às empresas exportadoras.

Finalmente e com o intuito de alargar a base exportadora e consequentemente combater o desequilíbrio da balança comercial portuguesa com maior celeridade e sustentabilidade, o Parlamento Português recomenda ao Governo que explore as PME’s com potencial exportador que no entanto ainda atuam apenas no mercado interno. Esta recomendação vai de encontro às conclusões de estudos recentemente efetuados pelo AICEP em prol da identificação de PME’s com potencial de exportação (para mais informação consultar o estudo Segmentation of SME clients at AICEP Portugal Global: a proposal based on real data).

Dado este enquadramento, é expectável que no curto prazo venham a ser noticiadas mais novidades relativamente ao apoio à Internacionalização de PME’s.